domingo, 2 de março de 2014

Deixe para trás o passado...afinal ele já passou!

Enquanto guardo uma lembrança pensando ser um pedaço de mim, que aprisionado parece ser algo que por um momento usei e fui. Guardo apenas uma sombra do que provavelmente tenha sido, e que de muito longe, sequer parece mais comigo.


Eu fui, talvez, apenas talvez, o pedaço que guardo de mim. Não continuo sendo. Pode ser que nem sequer tenha sido o que penso que fui.
Mas guardo como um precioso pedaço que dura para sempre. Ainda que fosse eu, agora seria o quê? Um pedaço petrificado, mumificado, travado nas linhas do tempo e espaço. Resumido apenas na lembrança que guarda. Definitivamente não.





Uma fotografia, um livro com dedicatória, uma peça de roupa, um bilhete manuscrito, um ingresso de show, um objeto… Não é mais o que pensa que aprisiona, é só a lembrança de algo que foi ou do que queria que tivesse sido. Enfim, não é mais.

Abandone suas lembranças!


Seja agora a versão mais nova daquilo tudo. Uma obra-prima inacabada, seu autor é o hoje. Não o ontem, e será por certo o amanhã. Agora sei. Obra inacabada ainda, que neste momento é algo apenas parecido com a lembrança que tenho de mim. Lembranças que são apenas  pistas do que andei me transformando. Jogue fora o máximo que puder.


Abandonando aquilo que ainda gostaria que fosse, posso ser o que sou. Permita-me. Enquanto me tenho ali preso nas gavetas e armários, sou algo irreal que não pode se transformar. Acredito guardar a mim, mas guardar você mesmo protegido na lembrança feliz do que era, sem encontrar o futuro e o que pode vir a ser?


A única coisa certa, é que não se consegue impedir o novo. Pode-se deixar de vivê-lo. Mesmo assim, a realidade já não é mais esta. É aquela desconhecida da qual me protejo. O novo também ficará velho. Quanto a isso, também tenho medo, confesso. Não tenho lembranças do que ainda está por vir. Ainda não sobrevivi ao que virá, a única certeza é que o novo vem.


Nenhum comentário:

Postar um comentário