quinta-feira, 4 de julho de 2013

A química entre nós




Você encontrou o amor da sua vida? Mas, de repente, o homem que tira seu sono não é ele - é outro. 


Se você estiver apaixonada por duas pessoas ao mesmo tempo, escolha a segunda - se realmente amasse a primeira, nem teria olhado para o lado. Bom, pelo menos é isso o que você sempre ouviu dizer. Deve ter escutado também que, se é comprometida e se interessa por outro, significa que há algo de errado na relação original, que alguma coisa está faltando. E que você é sacana, safada, egoísta. Talvez você mesma já tenha concordado que é impossível cultivar dois amores simultâneos - por biologia ou moral. Até acontecer com você.

Não é preciso ser moderna ou desapegada demais para reconhecer que a vida comporta, sim, amores simultâneos. Mas, se você nunca viveu esse furacão de emoções, pode não entender de primeira. Afinal, quem está feliz no relacionamento nem olha para o lado, certo? De fato, não olha. Mas e se esse novo amor aparece na sua frente, sem você ter procurado por ele, e não lhe dá nem a chance de reagir? 

Esse sentimento, selvagem e sem freios, que pode ir com a velocidade que veio, é chamado de amor efêmero. Ou, simplesmente, de paixão - porque amor demanda intimidade e tempo (e pode vir ou não depois dessa fase). A verdade: ninguém está livre de se apaixonar. Na multidão de um show. No trabalho - pois passamos a maior parte do dia no escritório. E isso não faz de você uma pessoa ruim. Afinal, se existe algo que não conseguimos controlar, é o sentimento - o que fazemos com ele é outra história. O neurocientista Larry Young, autor do livro A Química Entre Nós (Best Seller), acende a polêmica: "Nosso cérebro está programado para se apaixonar por várias pessoas, às vezes ao mesmo tempo. Por mais que a sociedade nos imponha a monogamia, ela não é natural". 
Sentir atração por pessoas fora da sua relação é a coisa mais normal do mundo. Sim, há homens mais inteligentes, mais atraentes e mais carinhosos do que o que está ao seu lado. Essa é a vida: cheia de tentações. E você refaz a sua escolha todos os dias. O mesmo vale para o outro, que também já pode ter encarado esse dilema. "Não existe uma única pessoa que nos complemente em todos os sentidos. Sempre vai faltar algo", diz a terapeuta Lucia Rosenberg, de São Paulo. E geralmente são essas as brechas para um novo amor surgir. Pode perceber: quantas qualidades em comum têm o seu parceiro e esse cara? Provavelmente, poucas. A paixão tende a fugir do nosso padrão de relacionamento, e é por isso que ela consegue despertar em nós sensações que, até então, desconhecíamos. Cabe a você pesar o que é mais importante, qual a sua prioridade.


A decisão entre dois amores é difícil porque vai muito além do parceiro. Na verdade, você está escolhendo entre duas possibilidades de vida. E o peso de tomar a decisão errada é imenso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário